Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

SIC prepara versão lusa de 'So You Think You Can Dance'

SIC prepara versão lusa de 'So You Think You Can Dance'

Adaptação do original americano está em pré-produção

A SIC comprou os direitos de adaptação do formato 'So You Think You Can Dance' e está a projectar o novo programa, um concurso de talentos na área da dança semelhante ao 'Ídolos' (e dos mesmos criadores). O formato ainda não tem título em português.

João Maia Abreu abandona TVI 24

A direcção de antena, de Luís Cunha Velho, vai supervisionar trabalho de Maia Abreu (na foto) João Maia Abreu vai assumir a direcção de novos canais da TVI, confirmou o próprio ao Correio da Manhã, mas fica dependente da direcção de antena, cujo director/coordenador é Luís Cunha Velho.

O jornalista, que estava a coordenar o canal de notícias TVI 24 e já foi director de Informação da estação de Queluz – tendo-se demitido após a suspensão do ‘Jornal Nacional de 6º’ – vai agora coordenar o lançamento dos novos canais cabo que a estação da Media Capital quer pôr no ar ainda este ano.

Maia Abreu não confirmou se os canais são os já falados de economia e de lazer. Mas o CM sabe que as mudanças na estrutura se prendem com o mau desempenho que o canal de notícias tem registado. Lançado a 26 de Fevereiro de 2009, o TVI 24 nunca conseguiu liderar audiências no segmento, ficando atrás da SIC Notícias (que no ano passado aumentou o seu share) e da RTPN. E, nas últimas semanas, registou menos de 1% de share, não figurando sequer na lista dos 15 mais vistos do cabo.

Na reestruturação agora levada a cabo na estação de Queluz, o canal TVI 24 passa a depender directamente da direcção de antena, ficando a direcção de Informação com "a gestão de conteúdos, dos recursos humanos e dos orçamentos de todos os programas de Informação", refere nota interna da estação, a que o CM teve acesso.

Entretanto, Marques Mendes deixa o editorial de opinião ‘Palavras Assinadas’ para integrar, a partir de Março, o novo espaço de análise política do ‘Diário de Noite’ (TVI 24), de Paulo Magalhães.

"É um homem que pensa muito bem a política", diz o jornalista ao CM.

Funeral de Rosa Lobato Faria realiza-se hoje nos Olivais

O funeral de Rosa Lobato Faria, que morreu terça-feira na sequência de uma anemia grave, acontece esta quinta-feira, pelas 16:00 horas, no Cemitério dos Olivais, em Lisboa, disse fonte da família.

Segundo a mesma fonte, o funeral será antecedido por uma missa na Igreja da Santa Isabel, perto do largo do Rato, às 14:00 horas, local onde o corpo da actriz e escritora está em câmara ardente.

Os restos mortais serão cremados no Cemitério dos Olivais.

ÚLTIMA HORA - Morreu Rosa Lobato Faria

A actriz e escritora Rosa Lobato Faria morreu esta terça-feira em Lisboa aos 77 anos, adiantou fonte da família. A causa da morte não foi revelada, mas era público o seu internamento num hospital privado de Lisboa devido a uma grave anemia.

Rosa Lobato Faria estava internada num hospital privado de Lisboa há mais de uma semana com uma grave anemia.

Nascida em Abril de 1932, Rosa Lobato Faria teve uma carreira repartida por várias áreas, entre a televisão, representação, a literatura, a poesia.

Estreou-se nos ecrãs da RTP na década de 1960, sendo a locutora de vários programas. A telenovela ‘Vila Faia' marcou a sua estreia como actriz, dando continuidade em ‘Origens'. Na televisão participou ainda nas novelas ‘Jardins Proibidos' ou ‘Ninguém como tu', e nas séries de humor ‘A minha sogra é uma bruxa' e ‘Humor de Perdição', onde esteve ao lado de Herman José.

No cinema, entrou nos filmes ‘Tráfico' (1988), e 'A Mulher que Acreditava Ser Presidente dos Estados Unidos da América' (2003), ambos do realizador João Botelho.

Com muitas letras para canções, algumas das quais para festivais de cinema, Rosa Lobato Faria não temeu entrar no mundo da ficção e da poesia. Em 1995, estreou-se na escrita com o romance ‘O pranto de Lúcifer', e 1997 compilou em ‘Poemas Escolhidos e Dispersos', escritos desde a sua infância.  'O Prenúncio das Águas' (1999), galardoado com o Prémio Máximo da Literatura de 2000, ‘A trança de Inês' (2001), ‘O Sétimo véu' (2003), ‘A Alma trocada' (2007) e ‘As Esquinas do Tempo' (2008) são outros títulos da escritora publicados.


O TUDO-SOBRE-A-TV dá as condulências à família e amigos da actriz.

 


SIC quer mais ficção nacional

A SIC quer apostar na produção de originais portugueses que atraiam público mais jovem, mas que também definam a identidade do canal na ficção. A estreia de ‘Lua Vermelha’, ontem, selou esse compromisso da direcção de programas e Virgílio Castelo, consultor da SIC para a ficção, disse ao CM que essa série juvenil já foi comparada "com o que se faz no canal Disney".

 

"Para nós, direcção de programas da SIC, é sinal que estamos a fazer um tipo de ficção que tem de ser para o grande público, porque somos uma estação comercial. E, ao mesmo tempo, conseguimos fazer, em cada produto que vamos criando, um pequeno up grade de qualidade e de identificação com a estação".

Com uma grelha a estabilizar, a direcção de programas quer marcar diferença. "Temos vindo a subir [nas audiências]. Desde que começámos com ‘Podia Acabar o Mundo’, depois ‘Perfeito Coração’ e agora ‘Lua Vermelha’, que temos vindo a corrigir os erros e à procura daquilo que é o nosso bilhete de identidade em termos de ficção. E acho que estamos a encontrá-lo", salienta Virgílio Castelo.

"Os objectivos da administração e da direcção de programas apontam para que a ficção da SIC vá crescendo, vá solidificando e que possa, com o tempo e o investimento necessário, ter cada vez mais público".

Para conquistar todos os públicos, a estação de Carnaxide tem já programada a adaptação de um projecto original. "Há uma série israelita sobre um psiquiatra, que pretendemos adaptar, a qual, estamos convencidos, vai atrair novos públicos. Sei que vamos gravar ainda este ano", avança o consultor.

Pág. 2/2