Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

Canais para Angola

Moniz e Rangel (bons) conselheiros

José Eduardo Moniz, director geral da TVI, e Emídio Rangel, "ex" da SIC e da RTP, cruzam-se em África. Conduzem projectos de canais para arrancarem: um em Setembro e outro em 2009.

José Eduardo Moniz na apresentação de «Call Girl», 26 Junho 2007 (foto de Manuel Lino)

Angola quer apostar na comunicação social. O Estado, sob o poder de José Eduardo dos Santos, pediu um parecer a Emídio Rangel para criar um canal de notícias que emitisse para toda a África negra, Portugal, Brasil e Timor. Esta estação já está pensada e deverá ser reapreciada a partir de Setembro, após as eleições. "Os prazos deles mantêm-se para meados de 2009, mas o projecto está em fase de apreciação. Eles gostaram do meu projecto.", atesta Emídio Rangel, ex-director-geral da SIC e programas da RTP, que especifica: "Será um canal composto de notícias e programas de informação, na lógica de fazer chegar a realidade do continente africano ao Hemisfério Norte".

Por seu lado, José Eduardo Moniz vê as suas viagens a Angola aumentarem,  por ser conselheiro daquele que será o primeiro canal privado do País, que deverá chamar-se Zimbro TV e cujo arranque está previsto para Setembro. "A Média Capital assinou um protocolo para o primeiro canal privado em que Moniz participa como consultor", refere uma fonte, à TV 7 Dias.

Aliás, há já uma produtora a trabalhar para esta estação, começando agora a criar conteúdos, quer a partir de Portugal, quer de Angola - a Valentim de Carvalho. "Não vamos adiantar pormenores", declara José Pedro, um dos responsáveis máximos da produtora.

Lideranças cruzadas

Emídio Rangel e José Eduardo Moniz há muito que convivem no panoram audiovisual. Ambos estiveram à frente de estações em Portugal. Enquanto o segundo tem conduzido os destinos da TVI, líder incontestável desde 2005, o promeiro dirigiu a SIC (líder acima dos 40 por cento de share, entre 1995 e 2000) e, pouco tempo depois, a RTP.