Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

ATREVE-TE A CANTAR é o novo programa da SIC!

Bárbara Guimarães volta aos ecrãs com um programa de grande entretenimento depois de Família Superstar.

Depois de ter estado mais de um ano sem apresentar programas de grande entretenimento, foi tornado ontem público que Bárbara Guimarães iria regressar no ínicio do próximo ano com um programa músical intitulado "Atreve-te a Cantar", onde a SIC vai tentar descobrir novas estrelas músicais.

O mais curioso deste formato é que não vai haver juri, mas sim um computador que vai avaliar o grau de afinação dos concorrentes.

 

DESCOBRE JÁ! PORQUE PERDEM AS NOVELAS BRASILEIRAS AUDIÊNCIA?

Investigadora de uma universidade de São Paulo defende que as novelas brasileiras insistem numa fórmula de sucesso dos anos 70, 80 e 90, não se percebendo que os padrões de ética da sociedade mudaram. Os textos são fracos e os bons actores envelheceram, não sendo substituídos.

A sociedade mudou e a TV paga e a Net cresceram
Longe parecem ir os tempos em que novelas Dancin' Days (1978-79), Roque Santeiro (1985-86) ou Selva de Pedra (1972) eram mais vistas do que jogos de futebol no Brasil. Por cá, o romance do escritor brasileiro Jorge Amado, Gabriela, Cravo e Canela, publicado em 1958, e passado, pela segunda vez, para a TV pela TV Globo, em 1975, com Sónia Braga no papel principal, foi um sucesso no Brasil e em Portugal, na monopolista RTP1.
Depois deste sucesso outros se seguiram. Porém, nos últimos dez anos, a cada novela lançada, sobretudo pela TV Globo, uma nova queda de audiências é anunciada, sobretudo no último ano. Esta constatação foi feita por Renata Pallottinni, professora de Dramaturgia, da Escola de Comunicação e Artes, da Universidade de São Paulo, num artigo publicado na última edição da revista Veja.
Mas porque as novelas já não arrebatam multidões? É a questão que esta professora tenta responder. Segundo ela, as novelas cometem vários erros básicos. "Há uma queda visível na qualidade do texto. Os autores não conseguem fazer algo atraente, como a velha novela que encantava o público." Apontando o caso da TV Record que inovou na linguagem com Os Mutantes - Caminhos do Coração, a investigadora confirma a sua tese com o facto desta espécie de série ter roubado audiência à Globo.
Nos anos 90, uma novela das oito de sucesso conseguia 60 pontos do Ibope e no início de 2000, passou a fazer 50 pontos, sendo hoje um mérito conseguir 40.
Renata Pallottinni destaca ainda o facto de os bons actores estarem a envelhecer e não existir investimento em substitutos à altura, sendo "um equívoco sério seleccionar actores jovens entre os mais bonitos. É preciso procurar talento".
Então a culpa é da Globo? Não necessariamente. O que acontece é que a emissora repete a fórmula que funcionou nos anos 70, 80 e 90, não se dando conta que a sociedade brasileira mudou. Além de uma sociedade com padrões de ética diferentes, com informação abundante e que circula veloz, as novelas debatem-se também com a concorrência da televisão paga e da Internet. No Brasil, o acesso à Internet a partir de casa, nos últimos dois anos, cresceu 78%, para os 24,3 milhões de pessoas. Já a TV paga totaliza 5,4 milhões de assinantes, traduzindo-se numa média de 20 milhões de espectadores. Resultado: mais televisores desligados. Por exemplo, no Rio de Janeiro, entre 2005 e 2008, foram desligados perto de 20% de televisores.
Lançada com a missão de travar a queda de audiências na faixa das 18.00, a novela de Miguel Falabella Negócio da China tem tido um desempenho pior (21 pontos) que o da sua antecessora Ciranda de Pedra, que em Portugal, na SIC, foi atirada para as 04.34 da madrugada. Também a Três Irmãs não vai além dos 30 pontos e na faixa das 21.00 o drama persiste. Depois de Duas Caras, com apenas 38,9 pontos, seguiu-se A Favorita com menos 1,3 pontos, daí ser conhecida como "A Rejeitada". Ainda assim, a Globo investe cada vez mais nas suas novelas, chegando cada episódio de uma série entre 180 a 200 episódios custar 156 mil euros.

1 comentário

Comentar post