Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

Tudo-Sobre-A-TV

MAIS DO QUE UM BLOG SOBRE TELEVISÃO

"Sou uma vampira boazinha"

Catarina Wallenstein faz as escolhas dos trabalhos em função da sua consistência. Na série da TVI, adorou trabalhar com Maria João Luís e Rogério Samora.

Aos 23 anos, Catarina Wallenstein é o protótipo da jovem prodígio. Em tão tenra idade foi, recentemente, musa revelação do mestre realizador Manoel de Oliveira na obra "Singularidades de uma rapariga loura". A promissora e descontraída actriz formou-se em França e actua, sobretudo, na tela do grande ecrã. A série "Nome de código Sintra" da estação pública, foi uma das poucas excepções, não porque atribua um rótulo pejorativo à televisão, mas na medida em que se rege por alguma selectividade. Pequenas participações em "Conta-me como foi", da RTP, ou em "Uma aventura", da SIC, abriram precedente para que agora integre o elenco da minissérie da TVI intitulada "Destino imortal", que versa o universo vampiresco.

É muito raro aceder trabalhar no pequeno ecrã. Porquê?

Exige uma exposição massiva e constante, para não falar no ritmo frenético a que os actores estão sujeitos. Tenho algum receio de não assegurar trabalhos consistentes e essa é a minha maior preocupação. Porém, nada tem a ver com preconceito. Trata-se apenas de uma tentativa de encontrar um equilíbrio a forma como decido arriscar e a defesa da minha postura. Mas não propriamente uma opção estratégica.

O que a levou, então, a aceitar o convite para esta minissérie?

Fiquei realmente muito contente por poder voltar a fazer televisão, além disso é o meu primeiro trabalho para a TVI. Depois contempla um elenco de luxo: fazer de filha da Maria João Luís e do Rogério Samora é um grande privilégio e uma oportunidade para aprender. Mas o que mais pesou, ainda assim, foi o facto de ser uma produção curta que foge ao registo do quotidiano e onde posso experimentar coisas diferentes. Diverti-me muito.

Como entra a sua personagem nos contornos do enredo?

A minha personagem chama-se Sofia, pertence a um clã de vampiros que chega à cidade, e é a única que pode expor-se à luz do dia, conseguindo disfarçar bem a sua génese. Apaixona-se por Miguel, um ser bastante especial, interpretado por Pedro Barroso, que é um colega da faculdade.

"Destino imortal" veicula uma perspectiva maniqueísta dos vampiros?

Sim. Há vampiros bons e vampiros maus. Existem aqueles que não fazem mal, ou não perturbam ninguém, e os que continuam a acreditar apenas no sugar do sangue alheio. A minha vampira é boazinha.

É uma ficção inovadora?

Só o facto de abordar o universo do fantástico já faz dela algo de inovador. Todo o trabalho derivou de um esforço comum inacreditável. Estou muito curiosa para assistir ao resultado final.

Parece que recentemente estalou a moda dos vampiros...

Exacto. Tive de me pôr a par dessa tendência que se deve muito à febre do "Crepúsculo". E há imensas séries no ar como "Vampire diaries", "True blood", entre muitas outras.

Inspirou-se em alguma delas para construir a Sofia?

Vi um pouco de cada uma para respirar aquela ambiência. Tive curiosidade em perceber como se posicionava a nossa série em relação àquilo que é escrito e feito em outros sítios.

A que tipo de pesquisa procedeu?

A construção da personagem passa, sobretudo, por imaginá-la e fazê-la viver. Tem a ver com um lado mais animal, do campo dos instintos. O lema é agir primeiro e pensar depois, nunca ao contrário. A partir daí, há a descoberta de um corpo, de um olhar. Mas não tenho grande metodologia ou inspiração concreta.

A SIC também vai estrear uma novela juvenil sobre vampiros. Não andam todos a copiar a mesma receita?

A única coisa que o ser humano sabe fazer é copiar os comportamentos dos outros, mesmo nas coisas boas e positivas.

Como explica que este tema suscite tanto interesse de súbito? Estamos perante um fenómeno?

Não é bem um fenómeno. Há uns anos, também tínhamos a saga do "Harry Potter". E não nos podemos esquecer de que os vampiros são um mito europeu. Há histórias pulverizadas por todo lado que relatam alegados casos reais. É normal que as pessoas se identifiquem com a temática.

Tem outros projectos profissionais na calha?

Para já, estou paradinha. Não faço ideia do que possa vir por aí. Não tenho nada planeado.